Varejo projeta recuperação em abril

Uma pesquisa feita pelo Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo (IBEVAR) aponta expectativa no aumento de vendas no setor varejista nos próximos três meses, com destaque para abril, que deve apresentar alta de 37% na movimentação de compras dos consumidores. Os dados levam em conta o levantamento sobre o comércio feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

A projeção da instituição é que os meses de abril e maio tenham aumento de 37,24% e 19,16%, respectivamente, na comparação com o mesmo período do ano passado.

O diretor de pesquisas do IBEVAR, Nuno Manoel Fouto, explica que 2020 foi um ano muito complicado para o comércio e acredita em recuperação do varejo em 2021. “Ano passado foi atípico, a pandemia provocou o fechamento do comércio e receio nos consumidores em comprar. Em relação ao ano passado haverá um aumento. Presenciamos uma recuperação nos últimos meses e, mesmo com restrições, poderemos superar esse momento”, afirma.

O levantamento aponta o mês de abril com maior crescimento no setor varejista neste primeiro semestre. Entre os destaques da pesquisa estão: tecidos, vestuário e calçados, com crescimento previsto de 422,88%; móveis e eletrodomésticos (76,85%), e artigos de uso pessoal e doméstico (81,86%).

Os empresários, por sua vez, enxergam a volta do pagamento do auxílio emergencial como uma alternativa para retomar as vendas. O diretor do IBEVAR aponta o benefício como possibilidade de aumento no poder de compra da população.

“Em 2020 percebemos um crescimento nos índices de compras após a aprovação do auxílio emergencial. Na época, com pagamentos de R$ 600, as vendas eram maiores. Acredito que, mesmo em parcelas menores, o auxílio pode aumentar o incentivo para compras da população”, diz Fouto.

O diretor de pesquisas também lembra do potencial da internet para alavancar as vendas nos próximos meses. Ele ressalta que as redes sociais encurtam o caminho entre empresários e consumidores e podem continuar em evidência neste ano. “A maioria das vendas, em 2020, foi realizada pela internet. As restrições impostas pelos estados por causa da pandemia vão afetar o comércio presencial, como aconteceu no ano passado. Porém, acredito que a internet pode ser fundamental para manter as vendas em alta neste semestre”, completa.

Fonte: IBEVAR.
Imagem: StockSnap por Pixabay

Compartilhe (Share)

Faça um comentário

ver todos comentários