FECOMERCIOSP: O varejo na ótica de adversidades

Abram Szaiman,
presidente da FecomercioSP

O ano de 2020 foi marcado pela instabilidade e pelo sentimento de insegurança ao redor do mundo, comprometendo não só a saúde da população, como perspectivas e convicções. Na economia, medidas de auxílio de renda, crédito e flexibilização trabalhista evitaram que os danos fossem ainda maiores.

Com medidas restritivas de isolamento e fechamento de algumas atividades, as vendas do comércio varejista de São Paulo, que antes da pandemia davam sinais de manter a recuperação de 2019, passaram a amargar resultados, chegando a registrar quedas de dois dígitos.

A abertura gradual das atividades trouxe fôlego para a economia. Projeções da FecomercioSP estimam que o comércio varejista paulista encerre o ano com crescimento de 2%, ainda assim com desempenhos assimétricos jamais vistos na história do setor no Estado. Os segmentos voltados a bens essenciais, como farmácias e supermercados, se recuperaram de forma mais expressiva, ao passo que os setores de vestuário e concessionárias continuaram (e continuam) caindo.

O varejo paulista iniciou a pandemia com 410,8 mil empresas e ingressará em 2021 com 346,6 mil.

É esperada uma baixa de 60 mil empregos formais no setor em relação a 2019, o pior desempenho anual desde 2010. A capacidade de sobrevivência dos negócios também foi duramente acometida. O varejo paulista iniciou a pandemia com 410,8 mil empresas e ingressará em 2021 com 346,6 mil.

Para 2021, é necessário esforço do governo para destravar o ambiente de negócios e dar continuidade à agenda de reformas, amparando empresas e empregos. Aos empreendedores, faz-se indispensável a habilidade de reinvenção no cenário ainda de adversidades.

Fonte: Revista Eletrolar News ed. 140

Compartilhe (Share)

Faça um comentário

ver todos comentários